Verdade..

"Não devemos julgar a vida dos outros, porque cada um de nós sabe de sua própria dor e renúncia. Uma coisa é você achar que está no caminho certo, outra é achar que seu caminho é o único."

quinta-feira, 28 de abril de 2011

INTUIÇÃO:a melhor conselheira!


Na vida, talvez junto com respirar, o que mais fazemos é escolher. Fazemos escolhas o tempo inteiro, durante toda a vida. Desde a hora que acordarmos (acordar, inclusive, é uma escolha) até a hora de ir dormir (novamente outra escolha) passamos o tempo inteiro fazendo algum tipo de escolha. Das coisas mais simples até as mais importantes.

Desde o que iremos comer no café da manhã, que ônibus tomar, que trajeto percorrer, que roupa vestir e assim por diante. O número de escolhas que fazemos diariamente é infindável. E basta viver para se fazer escolhas. Ninguém vive sem escolhas. O próprio ato de não escolher já é uma escolha.

Em algumas ocasiões, as escolhas que fazemos são as que determinam o que será feito da nossa vida. A profissão que iremos seguir, aceitar ou não aquela proposta de emprego, aceitar ou não um pedido de namoro (ou casamento), decidir mudar de cidade ou de país, ou quem sabe determinar que é hora de dar cabo a um relacionamento que só faz sofrer, que é hora de sair do emprego e buscar algo melhor, enfim, escolher mudar qualquer coisa que tenha algum impacto sentimento ou psicológico.


Escolher o que comer no jantar é algo simples e o fazemos naturalmente. Decidir que é hora de terminar um relacionamento não é uma coisa tão simples e pode terminar em sofrimento para ambas as partes.

Então a dúvida que fica é essa: como saber o que fazer? Como saber o que é melhor para cada um de nós?

Se me fosse perguntado, a resposta que eu daria seria: Siga a sua intuição! Ela, melhor do que ninguém, melhor até do que nós mesmos, é perfeita para responder a essas e a todo o tipo de questões que precisemos nos fazer. Alguém pode pular e dizer que não tem intuição.

Bobagem.

Posso afirmar, sem sombra de dúvida, que todas as pessoas possuem intuição. Algumas preferem chamar de sexto-sentido. O nome pouco importa. Mas a intuição é a melhor conselheira que uma pessoa pode ter. E o mais engraçado é que a intuição, a grosso modo, faz parte da própria pessoa. Com isso é possível dizer que cada um tem plenas condições de saber e, principalmente, fazer as escolhas certas.

A intuição, ou sexto-sentido com prefiram, normalmente não falha. É difícil ela dizer algo que esteja errado. Por conta disso talvez percamos algumas diversões, deixemos de experimentar ou vivenciar certas coisas. Mas certamente seriam coisas que não teriam grande importância para o decorrer da nossa vida, mas em compensação pode nos afastar de alguns males irreparáveis.

A intuição pode se manifestar de diversas formas. Ela varia de acordo com cada pessoa. Cada um precisa aprender a escutar o que diz sua intuição. Isso ninguém pode fazer por você. Cada um tem que aprender a conhecer quando a sua intuição está falando. E é aí que mora a maior dificuldade: separar o que diz a intuição do que nós queremos que ela diga! Para isso não existe manual, não existe fórmula secreta, muito menos simpatia.

É necessário escutar o que ela diz, mesmo que vá contra aquilo que queremos. Um exemplo bastante típico é querer namorar uma pessoa e a intuição dizer que esta pessoa irá nos fazer sofrer. Inventamos mil e uma desculpas, pensamos que estamos ficando loucos e fazemos todas as coisas possíveis para nos convencer que a pessoa é um bom partido. Mas mesmo assim, ainda fica aquela vozinha, aquele sentimento lá dentro indicando que estamos trilhando o caminho errado.

E isso nos incomoda. E fica nos incomodando cada vez mais. E quanto mais ela incomoda, mas lutamos para nos convencer que a intuição está errada e nós certos. Porém, fatalmente, ela se mostrará correta. E veremos, no fim das contas, que devíamos tê-la escutado.

A maior dificuldade está, realmente, em escutar o que ela fala e aceitar isso. Mesmo sendo contrário àquilo que desejamos. Mas ao escutá-la estamos escolhendo seguir um caminho melhor e muito provavelmente menos dolorido. E o que é melhor: ela está sempre conosco, sempre pronta para nos auxiliar e nos mostrar qual caminho seguir.

Sempre pronta a responder qualquer dúvida, a nos ajudar com qualquer problema. E ela está sempre falando. Sempre. Nós é que muitas vezes não a ouvimos. Ou talvez ouçamos, mas fazemos de conta que não é conosco.

Fabio Centenaro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário